Hoje, ao ler conferir meus e-mails, me deparei com um, que me chamou a atenção em especial. Não se tratava de um pedido de uma noivinha, como usual, mas sim, uma queixa vinda de uma mãe, lesada por um profissional que acreditou ser confiável. Segue o texto na íntegra:

“Boa tarde Tânia

Estou muito preocupada com a pessoa que aparece em seu blob como sendo a responsável por desidratação de bouquets. Trata-se de Flávia Veloso. Minha filha casou-se em abril do ano passado. No dia 09 de maio fui até a casa da Flávia onde fui muito bem recebida e deixei o bouquet de minha filha pra ser desidratado. Escolhi a moldura e paguei metade do valor total que era R$ 220,00. Ela me disse que levaria 4 meses pra aprontar e ficou tudo acertado. Passado os 4 meses, sem ela não ter entrado em contato comigo nenhuma única vez, tomei a iniciativa e entrei em contato com ela. Para encurtar o assunto, até hoje aguardo pelo trabalho e perdi meus R$ 110,00 deixados com ela. Além disso, ela não atende minhas ligações e nem responde minhas mensagens.
Tome muito cuidado com as pessoas que vc trabalha! Ela não é confiável!
Grata
Mariana Mulè”

Bem, todos nós sabemos que antes de se firmar qualquer tipo de transação comercial, principalmente com os ditos profissionais liberais, é importante que busquemos indicações com amigos e parentes. E depois, para nos resguardarmos de quaisquer problemas futuros, firmar um contrato minuscioso por escrito, onde ambos – contratante e contratado – deverão assinar. Além, é claro, de tomar o cuidado de quardar todos os recibos dos pagamentos realizados.

Normalmente, existem dois tipos de problemas encontrados em qualquer tipo de comercialização: primeiro e mais sério são os golpistas (pessoas especializadas em lesar o consumidor), o segundo e igualmente sério, são os comerciantes inexperientes que acabam calculando erroneamente seus negócios e não conseguem muitas vezes entregar um produto e nem devolver o dinheiro pago.

Não estou julgando aqui, se a referida profissional agiu ou não de má fé, até porque esse não é nosso objetivo. Toda história tem dois lados e eu só tomei conhecimento de um. Entretanto, como a mãe queixosa disse que “eu deveria ter cuidado com quem eu trabalho”, me vi no direito de elucidar certas questões.

Todos os profissionais e fornecedores que são mencionados neste espaço, não necessariamente trabalham ou trabalharão em parceria comigo. Apenas apresento aqui as novidades, que a toda hora surgem no ramo de casamentos, para que as noivinhas tomem conhecimento e façam as suas escolhas.

Todo e qualquer meio de comunicação não pode e não deve se responsabilizar pelos atos de quem tem o seu trabalho divulgado nele. Um exemplo disto, é que outros locais, muito mais importantes e com maior visibililidade que o nosso humilde blog, também fizeram divulgações sobre a profissional:

Na reportagem de capa, na Veja Rio de 2003 “Um guia com vinte endereços para quem busca serviços nada usuais” de Patrícia Malavez, o seu trabalho é mencionado.
No VII Workshop Inesquecível Casamento, ocorrido em agosto de 2008, a artesã foi um dos profissionais participantes. Confira o seu nome no Guia dos Noivos do evento.
No site da Revista Noivas Rio de Janeiro, a referida profissional, também é mencionada. Veja aqui e aqui.
De tudo isso, o que podemos extrair é a seguinte lição: não há como saber, com exatidão, o que se passa na cabeça e qual a verdadeira índole dos nossos contratados, por isso é importante que nos cerquemos de todos os cuidados para evitar possíveis contratempos.
Torno a dizer que não tenho como afirmar que o que é dito no e-mail é verdadeiro (prefiro acreditar que não!), entretanto, fica um alerta para que futuras contratações sejam benéficas para ambos os lados da transação.
Abraços a todos!
……………………………………………………………………………